Hábitos alimentares saudáveis podem prevenir depressão

Quando pensamos em problemas psicológicos, normalmente nos vem a mente a questão do tratamento, e não da prevenção. Mas será que existe prevenção quando falamos em psiquiatria?

alimento depressão

Saber se há histórico família de um problema é muito importante não só nas doenças psíquicas, mas em todas as doenças médicas. A prevenção é o primeiro passo para termos uma vida saudável. E muitas vezes, saber que vários membros de nossa família já tiveram problemas como depressão, ansiedade, etc., nos ajuda a verificar uma tendência genética a determinada doença. Com isso, é possível trabalhar para que ela não se transforme efetivamente em doença.

Sabemos que a depressão é uma doença complexa, com um comprometimento multigênico, mas é três vezes mais comum em pessoas com antecedentes de outras pessoas na família com doença depressiva. Antigamente o preconceito atrapalhava bastante a ajuda aos pacientes, pois muitos tinham vergonha em comentar que tinham familiares com problemas depressivos (mas não tinham vergonha em comentar que alguém da família tinha hipertensão ou diabetes).

Por que é importante saber das doenças de nossos ancestrais? Justamente para ficar atento e se antecipar à manifestação inicial da doença adotando medidas preventivas específicas. Fica fácil entender no caso do diabetes: controle de peso, pouca ingestão de açúcar, prática de exercícios físicos, evitar o tabaco; todas essas são medidas preventivas que podem impedir que a tendência à diabetes venha a se transformar em doença.

Mas como prevenir doenças emocionais?

De uma forma semelhante podemos pensar em relação à depressão e ansiedade. Existem várias medidas preventivas que podem ser tomadas.

Em relação à depressão ou ansiedade, uma das primeiras medidas preventivas que deve ser tomada é a prevenção com os “gatilhos”. Gatilhos são uma série de situações específicas, geralmente relacionadas ao estresse que podem transformar a tendência hereditária à depressão ou ansiedade em estado de doença.

Sabe-se que depressão é um estado de falta de energia física e mental. Se passamos por períodos de tempo prolongados expostos a grande gastos de energia como em situações prolongadas de estresse, estaremos acionando um dos gatilhos que pode “acordar” a doença “adormecida” dentro de nós. Gatilhos também podem ser compreendidos por situações de perda, situações de conflito, de grande pressão, de bullying, presença de doenças orgânicas, exposição a elementos tóxicos – como drogas, por exemplo.

Devemos, portanto, estar atentos à diminuição de energia dentro de nós e buscarmos mecanismos em nosso estilo de vida para compensarmos o gastos às vezes inevitável de energia por determinado período, compensando-o a seguir.

Que ações podem contornar esses gatilhos?

Em termos de ações completas, o que propomos é buscarmos sempre melhor qualidade de vida – o que parece não raro ser muito difícil nas condições do mundo atual. Mas podemos implementar alguns hábitos, desde que realmente estejamos convencidos que com melhor qualidade de vida viveremos melhor e faremos a prevenção de inúmeras doenças. É uma questão séria de sabermos priorizar o que realmente é mais importante em nossa vida. Algumas medidas efetivas que podem prevenir as doenças como depressão e ansiedade:

Exercício físicos diários Liberam uma substância importante, a endorfina, que está ligada ao bem estar. Além disso melhoram a circulação, melhoram a fixação de cálcio nos ossos e descansam a mente. Uma caminhada de 30 minutos todo o dia já é o suficiente!

Relaxamento Qualquer técnica ou prática de relaxamento é benéfica, praticar uma atividade que o acalme traz alívio das tensões advindas do mundo atual.

Meditação Vários estudos dão enorme importância à meditação, respeitando cada um o seu credo religioso ou mesmo adotando técnicas não vinculadas a credos. Essa atividade descansa o lado lógico ou dominante do cérebro e ativa o lado não dominante, também chamado de sensitivo.

Arte-terapia Qualquer forma de arte – seja a música, pintura, escultura, culinária, tricô, dança, etc. – descansam o lado lógico e ativam o lado sensitivo, da mesma forma que a meditação.

E, naturalmente, é sempre importante procurar hábitos saudáveis de vida, como evitar o uso de tabaco, ter hábitos adequados de alimentação e sono, evitar o excesso de bebida, cultivar relacionamentos afetivos estáveis, praticar lazer e buscar enfim uma boa qualidade de vida.

Tudo depende do problema

Naturalmente o tipo de doença influencia muito na hora de tomarmos medidas de prevenção. No final das contas é muito mais fácil tomar medidas preventivas em doenças onde a participação da carga genética é menos significante, como no caso da depressão e ansiedade.

Já em doenças onde a participação genética é mais determinante para a eclosão da doença, como no caso da esquizofrenia, por exemplo, as medidas preventivas são mais difíceis de serem implementadas, mas nem por isso devem ser desprezadas. Os “gatilhos” para eclosão da doença devem ser percebidos mais precocemente para que a doença não se manifeste. Caso você tenha esse tipo de doença na família, vale buscar precocemente a orientação de um psiquiatra.

Fonte: Minha Vida – ARTIGO DE ESPECIALISTA – PUBLICADO EM 26/02/2014